JORNAL TERESINA NEWS: Setembro 2018
loading...

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Três crianças vítimas de maus-tratos são resgatadas na Zona Leste de Teresina


Três crianças vítimas de maus-tratos foram resgatas esta semana pelo Conselho Tutelar no bairro Anita Ferraz, Zona Leste de Teresina.

Fonte: 180graus
 
Uma delas estava sendo mantida em cárcere privado pelo pai, e a outra era agredida pela mãe.

O Conselho Tutelar informou ao 180 que os casos foram registrados em locais bem próximos, no mesmo bairro. Uma criança de 10 anos estava sendo mantida há três meses em cárcere privado pelo pai. O homem a proibia de frequentar até mesmo a escola. 

A outra criança de quatro anos estava sendo espancada pela mãe, com uma tira de PVC.

Os dois suspeitos foram presos em flagrante e passaram a noite detidos. Após uma audiência de custódia, a justiça liberou os dois para responderem em liberdade pelas agressões e cárcere privado.

A criança que estava sendo mantida em cárcere privado foi entregue para a mãe cuidar, já a que foi agredida, foi levada a um abrigo pelo conselho juntamente com sua irmã.

Confira as marcas que a mãe deixou na criança que foi agredida:

Jovem morre após ser alvejado com vários tiros ao sair de festa em Teresina

Um jovem de 26 anos foi assassinado com vários tiros na madrugada desta sexta-feira (28/09) no bairro Cidade Jardim, Zona Leste de Teresina.

Fonte: 180graus
 
Ele foi identificado como Tiago Aguiar e saía de uma festa de reggae quando foi abordado por um trio que estava de carro e um deles efetuou os disparos.

A mãe de Tiago chegou a se ferida com um tiro de raspão ao tentar salvar o filho. Os criminosos fugiram após os disparos e o jovem morreu ainda no local.

A perícia foi realizada e o Instituto Médico Legal solicitado para fazer a remoção o corpo. O caso será investigado pelo Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa.

Ação da PF contra corrupção mira aliados de Marconi Perillo


Perillo está concorrendo a uma vaga no Senado e, de acordo com Ibope do dia 21 de setembro, tem 29% das intenções de voto


Fonte: Noticias ao minuto
© Marcelo Camargo/Agência Brasil
Ação da PF contra corrupção mira aliados de Marconi Perillo

Polícia Federal deflagrou nesta sexta operação que apura pagamentos indevidos a agentes públicos em Goiás. Estão sendo cumpridos mandados de prisão e de busca e apreensão contra aliados do ex-governador Marconi Perillo (PSDB), candidato a uma vaga no Senado.
Durante a operação, batizada de Cash Delivery, foi apreendida farta quantia de dinheiro na casa de Márcio Garcia de Moura, motorista e policial militar investigado.Outro alvo é Jayme Rincón, ex-tesoureiro de Perillo e ex-secretário da Agetop (Agência Goiana de Transpotes e Obras). Ele é coordenador da campanha do atual candidato tucano ao governo do estado, José Eliton.

A investigação partiu das delações premiadas da Odebrecht. Executivos da empreiteira relataram ter repassado R$ 12 milhões para as campanhas de Perillo em 2010 e 2014, em troca de favores no governo.

Jayme foi citado como agente que recebia recursos, em nome do ex-governador, apontado como chefe do esquema.Outros investigados são o filho dele, Rodrigo Godoi Rincón, o ex-policial militar e advogado Pablo Rogério de Oliveira e o empresário Carlos Alberto Pacheco Júnior.

Estão sendo cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e 5 de prisão temporária, expedidos pela 11ª Vara da Justiça Federal em Goiás, em Goiânia, Aparecida de Goiânia, Pirenópolis, Aruanã, Campinas e São Paulo.Os envolvidos são investigados por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

A reportagem não conseguiu contato com os investigados ou seus representantes.



Aluno armado atira e fere 2 colegas em colégio de Medianeira


Ataque foi registrado na manhã desta sexta-feira (28); à polícia, suspeito disse que vinha sofrendo bullying.
Fonte: G1
Na casa do adolescente, policiais apreenderam armas, munição e bombas caseiras — Foto: PM/Divulgação
Na casa do adolescente, policiais apreenderam armas, munição e bombas caseiras — Foto: PM/Divulgação
Um adolescente, de 15 anos, entrou armado e atirou contra colegas de classe do Colégio Estadual João Manoel Mondrone, em Medianeira, no oeste do Paraná, a 60 km de Foz do Iguaçu.

O ataque foi registrado por volta das 9h desta sexta-feira (28).

Segundo a polícia, dois alunos ficaram feridos, um deles, de 15 anos, gravemente, com um tiro nas costas, próximo à coluna vertebral. Ele foi transferido para o Hospital Municipal de Foz do Iguaçu.
O outro, de 18 anos, foi atingido de raspão em uma das pernas. Ele foi encaminhado ao hospital, recebeu um curativo e liberado.

O suspeito e outro adolescente, que supostamente dava cobertura ao atirador, foram apreendidos e levados para a delegacia.


À polícia, o estudante, que é filho de agricultores, disse que vinha sofrendo bullying, que tinha ao menos cinco alvos e que saiu de casa decidido a praticar o ataque. Com os dois foram apreendidos um revólver calibre 22, munição e uma faca.
Sala de aula onde ocorreu o ataque será periciada — Foto: Bruna Kobus/RPC

Sala de aula onde ocorreu o ataque será periciada — Foto: Bruna Kobus/RPC

De acordo com a polícia, uma carta com pedido de desculpas foi encontrada no material escolar do suspeito, além de recortes com notícias de ataques em escolas dos Estados Unidos e do Brasil.

"É considerado uma espécie de atentado. Os alunos eram vítimas de bullying. Um veio com bomba e o outro com uma arma. A bomba foi explodida no pátio do colégio. Na carta encontrada na mochila de um dos alunos ele se justifica sobre o que aconteceu. Ele se sentia menosprezado e humilhado", comentou o delegado Denis Merino.
 Nas paredes da sala de aula ficaram algumas marcas dos tiros disparados pelo adolescente de 15 anos — Foto: Bruna Kobus/RPC

Nas paredes da sala de aula ficaram algumas marcas dos tiros disparados pelo adolescente de 15 anos — Foto: Bruna Kobus/RPC

A carta será periciada e a letra comparada com a dos alunos apreendidos.

Na casa do atirador, policiais encontraram mais armas, facas e bombas caseiras.
 Segundo a polícia, o ataque foi registrado na manhã desta sexta-feira (28), no Colégio Estadual João Manoel Mondrone, em Medianeira — Foto: Divulgação

Segundo a polícia, o ataque foi registrado na manhã desta sexta-feira (28), no Colégio Estadual João Manoel Mondrone, em Medianeira — Foto: Divulgação

Os pais dos dois adolescentes também foram levados à delegacia para prestar esclarecimentos.

"Vamos apurar qual a origem das armas. Constatadas as origens, se confirmadas serem dos pais, eles também deverão ser responsabilizados", completou o delegado.

Os menores devem responder por dupla tentativa de homicídio.

Por conta do ataque, as aulas no Colégio Estadual João Manoel Mondrone foram suspensas à tarde.

Momentos de tensão
O diretor do colégio, Darlan Chiamulera, considerou o ataque um "episódio lamentável" e afirmou que toda a comunidade escolar está abalada. Ele descreveu os momentos de tensão vividos pelos alunos e professores.

"Era o momento da segunda aula, eu conversava com um dos meninos na direção, e naquilo a gente escutou alguns barulhos mais fortes, de explosão, e estampido, e o pessoal correndo falando que havia sido tiros. Corri em direção à sala. Encontrei um dos meninos feridos", comentou.

Enquanto ia para a sala onde ocorreu o ataque, ele disse ter encontrado o atirador.

"Quando ele me viu, eu falei: ‘Paulo, o que está acontecendo?’. Aí ele decidiu retornar. Ele estava com a arma na mão. Estava vindo na direção, não sei o que ele estava pensando”, contou.

O diretor disse ainda que tentou acalmar o estudante.

“Fui conversando para tentar colocar num lugar que ele não colocasse mais ninguém em risco, porque ele já tinha atingido dois alunos. É uma situação que a gente não sabe como reagir. Eu só pedi para os alunos ficarem dentro da sala para não ter mais nenhum ferido”, lembra.
 Arte tiros — Foto: Arte/G1

Arte tiros — Foto: Arte/G1

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Menino de 10 anos é raptado e torturado por quadrilha de ‘justiceiros’ em Timon

Membros de suposta facção criminosa teriam torturado garoto que suspeitavam ter participado do roubo de uma motocicleta. Um homem apontado como mandante do crime foi preso pela Polícia Civil.

Fonte: G1
Segundo delegado do 3º DP, de Timon (MA), menino foi torturado durante toda a tarde de segunda-feira (17) — Foto: Lorena Linhares/ G1 PI
Segundo delegado do 3º DP, de Timon (MA), menino foi torturado durante toda a tarde de segunda-feira (17) — Foto: Lorena Linhares/ G1 PI

Um menino de apenas dez anos foi raptado e torturado durante toda a tarde desta segunda-feira (18), na cidade Timon, no Maranhão. De acordo com a Polícia Civil, os autores do crime seriam membros de uma facção criminosa que agiriam para punir pessoas que supostamente cometeram crimes. Um homem apontado como mentor do rapto e tortura do menino foi preso.

O delegado Michel Sampaio, titular do 3º Distrito Policial em Timon, contou que um adolescente foi até a casa do menino e avisou à família que o garoto havia sido raptado por que o grupo suspeitava que ele havia participado do roubo de uma moto. “E só libertariam a criança caso a família devolvesse a motocicleta ou indicasse a sua localização”, disse o delegado.

O caso foi denunciado à Polícia por volta das 17h. A mãe vítima informou aos policiais que sabia onde ficava a casa de um dos membros da facção criminosa. Os policiais diligenciaram até o bairro Lourival Almeida, onde conseguiram avistar o suspeito quando libertava a criança.

“A Polícia fez o que a gente chama de ‘ação retardada’: não prenderam o indivíduo de imediato. Deixaram a criança seguir até a casa da avó, sendo liberado, em seguida seguiram o autor do crime até a casa que foi identificada como o eventual cativeiro. E lá colheram provas do crime de extorsão e de tortura”, contou o delegado Michel Sampaio.

As provas colhidas pelos policiais, de acordo com o delegado, atestam que o menino foi torturado durante toda a tarde para que confessasse crimes. Um rapaz identificado como Francisco Rodrigues Andrade, conhecido como Lourinho, foi preso suspeito de ser o mandante e autor da tortura.

Ainda segundo o delegado Michel Sampaio, o rapaz preso é suspeito de praticar um crime semelhante contra duas pessoas há cerca de uma semana. “Ele, mediante tentar praticar justiça com as próprias mãos, torturou um casal de pessoas acusadas de praticar o crime de furto, para falar uma coisa que não cometeram", disse.
O casal procurou a polícia para registrar a ocorrência. "Essas pessoas apanharam bastante, por um grupo de dez a quinze pessoas, e citaram o nome do Lourinho como autor e mandante da tortura”, contou o delegado. O caso continua sendo investigado pela Delegacia de Timon, que pretende identificar os membros da susposta facção criminosa.
loading...

Rio de Janeiro registra 71ª morte de policial militar no ano

O soldado Rodrigo Limeira Gergory, de 32 anos, cortava o cabelo em uma barbearia quando foi reconhecido por criminosos

Fonte: Terra
Foto: Celso Barbosa / Código19 / Estadão Conteúdo
 Rio de Janeiro vive intervenção federal
Mais um policial militar morreu no Rio de Janeiro, chegando a 71 o número de mortos só este ano. O soldado Rodrigo Limeira Gergory, de 32 anos, foi assassinado nesta sexta-feira (14), durante uma tentativa de assalto, no bairro Vicente de Carvalho, zona norte da cidade.
Segundo a assessoria de imprensa da PM, o militar cortava o cabelo em uma barbearia, quando foi reconhecido pelos criminosos.
O policial chegou a ser socorrido para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, mas não resistiu aos ferimentos. O soldado estava na PM desde junho 2013 e era lotado no Batalhão de Polícia de Choque (BPChq).

Era solteiro e sem filhos. Ainda não há informações sobre seu sepultamento.

Segundo a corporação, desde o início do ano, 20 policiais foram mortos em serviço, 41 foram assassinados enquanto estavam de folga e 10 policiais reformados foram mortos.
loading...

Homem encontrado morto em freezer em SP estava desaparecido há 44 dias, diz mãe


Os investigadores procuram agora o morador da casa, que é considerado o principal suspeito.

Fonte: G1
Corpo de Cristiano Barbalho (no detalhe) foi encontrado em geladeira dentro da casa — Foto: TV Globo/Reprodução
 Corpo de Cristiano Barbalho (no detalhe) foi encontrado em geladeira dentro da casa — Foto: TV Globo/Reprodução

Além de reconhecer as tatuagens informadas pelos parentes, os peritos encontraram o RG no bolso dele. Os investigadores procuram agora o morador da casa, Murilo Cavalcante Fernandes, que é considerado o principal suspeito pelo crime.

O caso vai ser investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).
 Corpo estava em geladeira desligada tombada na horizontal, segundo o boletim de ocorrência — Foto: TV Globo/Reprodução
Corpo estava em geladeira desligada tombada na horizontal, segundo o boletim de ocorrência — Foto: TV Globo/Reprodução

loading...

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Homem morre ao cair de poste após sofrer descarga elétrica durante ligação clandestina em Teresina


Polícia confirmou que a vítima fazia uma religação clandestina, quando sofreu o choque e que não usava nenhum equipamento de segurança.

Fonte: G1
Policiais do 8º BPM atenderam a ocorrência — Foto: Gil Oliveira/G1
Policiais do 8º BPM atenderam a ocorrência — Foto: Gil Oliveira/G1

Um homem identificado como José William de Araújo Nunes, de 34 anos, morreu de uma queda, após ser arremessado de um poste devido uma descarga elétrica, no bairro Dirceu II, Zona Sudeste de Teresina, por volta das 11h desta terça-feira (11). A polícia informou que a vítima fazia uma religação clandestina, quando sofreu o choque, caiu e bateu a cabeça no chão.

Conforme a Polícia Militar, a vítima costumava fazer as religações clandestinas e não usava equipamentos de segurança necessários para o tipo de trabalho. Ele estava no momento, apenas com um alicate.

“Ele não usava nada, só um alicate na mão. Com informações colhidas de moradores, era de costume ele fazer esse tipo de serviço, inclusive na mesma rua, parece que ele andou fazendo outras vezes umas religações, mas não conseguimos identificar para quem ele fazia o serviço. Só a perícia vai localizar”, disse o capitão do 8º Batalhão da Polícia Militar, Gomes Alves.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) esteve no local, mas a vítima não resistiu e morreu na hora. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) pela própria equipe do Samu.

“A população acionou o Samu e quando a equipe chegou lá, ele ainda estava com vida, mas antes de sair do local ele não resistiu”, falou o capitão.

Ainda conforme o capitão da Polícia Militar, o caso foi encaminhado para a delegacia da área para possíveis investigações.


Teresina registra uma média de dois assaltos a ônibus por semana


Só este ano, já foram contabilizados 78 ocorrências no transporte coletivo da Capital e algumas áreas da cidade já são consideradas de risco.

Fonte: Portala o dia
Foto: Moura Ales/Arquivo O Dia
 

E já há zonas consideradas de risco pelos motoristas dentro de Teresina. O Sindicato cita três: as proximidades do Shopping Rio Poty, no bairro Cabral, por conta da pouca iluminação; a região da Santa Maria, por conta da presença de trechos menos movimentados nos trajetos dos ônibus; e alguns bairros da zona Leste de Teresina, como Ininga e Vale do Gavião.

Somente na parada do Shopping Rio Poty, no bairro Cabral, o Sintetro diz que já registrou três assaltos a coletivos no último mês e a frequência de ocorrências naquela área de pelo menos uma por semana.

Passageiro relata ação

Um passageiro conversou com a reportagem de O Dia, relatando os momentos de tensão que viveu quando presenciou um arrastão a uma van de transporte alternativo na noite de ontem próximo ao balão da Uespi, no campus do Pirajá. O rapaz, que preferiu não se identificar, disse que os assaltantes renderam o motorista com uma arma e anunciaram o arrastão, mandando que os passageiros ficassem quietos e calados.

“Ele se dirigiu até uma senhora e perguntou ‘e aí, o que a senhora tem pra mim hoje?’. Ela entregou o celular, ele ainda perguntou ‘só isso?’, mas guardou dentro da mochila e seguiu adiante. Eles foram tomando tudo do caixa, dos outros passageiros e dos homens, além dos celulares, ainda levaram as carteiras. Quando chegou em mim, eles me mandaram passar a carteira, que tinha todo meu salário dentro, e na hora de entregar o celular, eles nem esperaram. Enfiaram logo a mão no meu bolso e pegaram, mas quando viram que era um Iphone, devolveram, porque é um modelo que tem rastreador”, relata.

O rapaz acrescenta ainda que, após concluírem o arrastão, o assaltante que mantinha o motorista sob a mira da arma, o obrigou a mudar a rota da van e deixa-los no Morro do Urubu.
Sindicato fala em parceria com a PM

À reportagem de O Dia, o Sintetro disse que está fechando parcerias com os batalhões de Polícia Militar da Capital para intensificar as rondas nestas zonas consideradas de risco, sobretudo nos horários de maio movimento durante o dia. O Sindicato afirmou ainda que todos os ônibus são monitorados por câmeras e que as imagens de assaltos e arrastões são colhidas e encaminhadas à Polícia Civil para identificar os suspeitos.

Com relação a este assalto de ontem (10) na parada do Shopping Rio Poty, o caso está sendo apurado pelo 2º Distrito Policial, mas a polícia não conseguiu as imagens dos suspeitos, porque o sistema de câmeras do veículo estava desativado.



Agressor de Jair Bolsonaro diz à juíza que atentado foi ‘incidente’


Em entrevista de custódia, Adelio Bispo, agressor do candidato Jair Bolsonaro (PSL), disse que facada foi “imprevisto” que "aconteceu"

Fonte: Último Segundo
Tomaz Silva/Agência Brasil - 7.9.18
Agressor de Bolsonaro, Adelio Bispo de Oliveira foi transferido para um presídio federal
Agressor de Bolsonaro, Adelio Bispo de Oliveira foi transferido para um presídio federal

Um incidente que terminou de forma problemática. É assim que um calmo Adelio Bispo descreveu, em entrevista de custódia realizada um dia após o atentado contra o deputado federal Jair Bolsonaro, a facada que quase pôs termo à vida do presidenciável. A intenção do agressor de Bolsonaro, alegou o próprio, era dar “um susto” no candidato.
Adelio contou, ainda, que já foi usuário, por orientação psiquiátrica, de três diferentes tipos de remédios para depressão. Tranquilo, o agressor de Bolsonaro expôs à juíza Patrícia Alencar de Carvalho sua versão dos fatos.

"O incidente, o imprevisto que terminou, digamos assim, de forma problemática. Discordâncias em certos pontos, em diferentes pontos. Seguimos assim. Não saberia nem expressar, mas o fato ocorreu, entendeu? Houve um ferimento, correto? Embora pretendíamos pelo menos dar uma resposta, um susto, alguma coisa dessa natureza, entendeu? E houve, aconteceu", confessou Adelio .

Acompanhe, abaixo, o vídeo da entrevista de custódia:

 Adelio contou, ainda, que já foi usuário, por orientação psiquiátrica, de três diferentes tipos de remédios para depressão. Tranquilo, o agressor de Bolsonaro expôs à juíza Patrícia Alencar de Carvalho sua versão dos fatos.

"O incidente, o imprevisto que terminou, digamos assim, de forma problemática. Discordâncias em certos pontos, em diferentes pontos. Seguimos assim. Não saberia nem expressar, mas o fato ocorreu, entendeu? Houve um ferimento, correto? Embora pretendíamos pelo menos dar uma resposta, um susto, alguma coisa dessa natureza, entendeu? E houve, aconteceu", confessou Adelio .

Acompanhe, abaixo, o vídeo da entrevista de custódia:

 Ajudante de pedreiro que se encontrava desempregado, Bispo contou que se sentia pessoalmente ameaçado pelas ideias e posturas radicais de Jair Bolsonaro. Por isso, diz, tivera a ideia de passar um “susto” no candidato.

“Eu, como milhões de pessoas, pelos discursos da pessoa referida, me sinto ameaçado literalmente, entendeu? Me sinto ameaçado como tantos milhões de pessoas pelos discursos que o cidadão tem feito", disse, e prosseguiu: “cedo ou tarde, ele vai cumprir aquilo que está prometendo tão veementemente pelo país todo contra pessoas como eu exatamente".

Os advogados quiseram saber, então, sobre o histórico psiquiátrico de Adelio, que não se furtou em responder.

"Bem, eu já tomei diferentes tipos de medicamentes controlados, né? Tem um, que eu não me recordo o nome, extremamente forte, muito pequeno, mas derruba. Não vai mais que 15 minutos que tomou aquele comprimido, se não tiver deitado, cai mesmo, extremamente forte". Adelio, contudo, disse que já há muito não frequenta clínicas médicas.

O agressor de Bolsonaro se encontra detido desde sábado (8) em uma cela individual no presídio federal de Campo Grande (MT). A defesa de Adelio já fez um pedido para que seu cliente passe por uma avaliação de sanidade mental.


Sequestrador do irmão de Zezé Di Camargo e Luciano foge de prisão


Ozélio de Oliveira está entre os 29 detentos que fugiram da penitenciária Estadual de Piraquara (PEP) nesta terça-feira (12)

Fonte: Noticias ao minuto
© PixaBay
 Sequestrador do irmão de Zezé Di Camargo e Luciano foge de prisão

O acusado pelo sequestro do cantor gospel Wellington Camargo, Ozélio de Oliveira, é um dos presos que escaparam da Penitenciária Estadual de Piraquara (PEP) nesta terça-feira (11). O artista é irmão da dupla Zezé Di Camargo e Luciano.
De acordo com o G1, 29 detentos fugiram da penitenciária ao todo. A Polícia Federal (PF) informou que Ozélio de Oliveira, o 'Sumô', foi condenado a mais de 200 anos por diversos crimes, entre eles o sequestro do cantor em dezembro de 1998.

Ozélio foi um dos 4 homens armados que invadiram a residência de Wellington, no Jardim Europa, em Goiânia, e o sequestraram. O cantor gospel foi deixado pelos criminosos dentro de um buraco após o pagamento de um resgate de US$ 300 mil.

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Advogada é algemada e presa durante audiência em juizado de Duque de Caxias, no RJ


Discussão foi gravada em vídeos. Advogada afirmou que não teve chance de fazer as contestações no caso.
Fonte: G1
Imagens mostram a advogada Valéria dos Santos no chão, algemada por policiais (Foto: Reprodução/ TV Globo)
 Imagens mostram a advogada Valéria dos Santos no chão, algemada por policiais (Foto: Reprodução/ TV Globo)

Policiais militares algemaram e prenderam uma advogada durante audiência no 3º Juizado Especial Cível de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Tudo começou depois que uma juíza leiga e uma advogada discutiram se incluiriam ou não uma contestação no processo. A discussão foi gravada em vídeos.

Juízes leigos atuam em juizados especiais e audiências de conciliação, mas não precisam ser togados - ou de Direito.

Imagens mostraram a advogada Valéria dos Santos discutindo com uma mulher durante a audiência. A juíza leiga afirmou que queria encerrar a audiência, mas ela afirmou que ainda não tinha terminado o trabalho dela e feito as contestações do caso.

“Eu tenho que ver a contestação. Não, não encerrou nada. Não encerrou nada”, afirmou Valéria.

A discussão continuou, e a juíza pediu que ela se retirasse da sala. A advogada afirmou que não sairia antes da chegada do delegado da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), responsável por atuar em casos de suspeita de desrespeito ao trabalho dos advogados.

“Quem diz isso sou eu”, afirmou a juíza leiga.

“Tá bom, tudo bem. Espera o delegado chegar. Você está com pressa? Você vai esperar aqui”, destacou Valéria, referindo-se à cliente.

“Tá liberada”, disse a juíza em seguida.

“Não, a gente vai esperar aqui o delegado da OAB”, insistiu Valéria.

A juíza afirmou que ela tinha que esperar o delegado da OAB fora da sala. Com a persistência do impasse, a juíza resolveu chamar a polícia, e a discussão continuou. Há uma interrupção na gravação.

No vídeo seguinte, a advogada aparece de pé discutindo com a juíza e um policial militar que está dentro da sala.


“Eu estou calma! Eu estou calmíssima! Agora, eu estou indignada de vocês, vocês - e essa senhora também - como representantes do Estado, 'atropelar' a lei. Eu tenho direito de ler a contestação e impugnar os pontos da contestação do réu. Isso está na lei”, protestou Valéria dos Santos.

E o policial responde: “A única coisa que eu vou confirmar aqui é se a senhora vai ter que sair ou não. Se a senhora tiver que sair, a senhora vai sair!”
Novamente, a gravação é interrompida. No vídeo seguinte, a advogada já aparece no chão, algemada.

“Eu estou trabalhando! Eu quero trabalhar! Eu tenho direito de trabalhar! É meu direito como mulher, como negra, é trabalhar! Eu quero trabalhar!”, afirmou Valéria.

Ainda com as algemas, a advogada foi levada para o corredor. Ela chegou a ser levada para a delegacia de Duque de Caxias e só foi libertada quando o delegado da OAB mandou retirar as algemas.

A Ordem afirmou que vai pedir o afastamento da juíza e dos dois policiais que aparecem nas imagens.

O presidente da Comissão de Prerrogativas da OAB do Rio marcou reunião para cobrar resposta da Justiça. “Eu nunca vi algo tão bizarro, tão dantesco acontecer dentro de uma sala de audiência. Estou realmente estarrecido e por isso que a resposta da Ordem dos Advogados, da advocacia, tem que ser muito firme, contundente porque isso jamais pode se repetir”.

O Tribunal de Justiça do Rio afirmou que a juíza chamou a polícia porque a advogada não acatou as orientações na sala de audiência. De acordo com o TJ-RJ, ela resistiu e, por isso, foi algemada e levada para a delegacia. O nome da juíza leiga não foi divulgado.

A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, por meio do Núcleo Contra a Desigualdade Racial, considerou a prisão "ilegal, arbitrária, desproporcional e vexatória" e manifestou solidariedade à advogada presa.

A Polícia Militar ainda não se manifestou sobre o caso.

“Não, eu tenho que esperar o delegado da OAB. Quero fazer cumprir o meu direito”, retruca a advogada.

“A senhora vai sair quando a gente... Quando eu concluir aqui, a senhora vai sair”, afirmou o policial.

terça-feira, 4 de setembro de 2018

Ator que fez novelas na Globo é encontrado morto


O corpo de João Paulo Adour, 78 anos, foi encontrado na casa dele; na foto, ele aparece ao lado de Maitê Proença na novela 'As Três Marias', em 1980
Fonte: Noticias ao minuto
© Cedoc/ Tv Globo
 Ator que fez novelas na Globo é encontrado morto

O ator João Paulo Adour foi encontrado morto na tarde desta segunda-feira (3), na casa dele, que f De acordo com o G1, vizinhos desconfiaram da falta de movimentação e decidiram entrar no apartamento, encontrando em seguida João Paulo morto e a casa revirada. A Polícia Militar foi acionada e confirmou o óbito. A causa da morte ainda não foi informada.

João Paulo Adour estava com 78 anos. O ator estreou na Rede Globo na década de 1970 e 1980, participando de novelas como “O Bem Amado”, “Selva de Pedra”, “As Três Marias”, “O Grito”, “A Ponte dos Suspiros” e “Gabriela”.ica no bairro da Gávea, Zona Sul do Rio de Janeiro.


Menina arremessada de brinquedo em parque em Goiás tem morte cerebral

Além de Isabella do Amaral Viera, mais três adolescentes foram vítimas no mesmo acidente, em Ceres, município goiano
Fonte: Metópole
Reprodução/ Arquivo pessoal

Isabella do Amaral Viera, 16 anos, uma das quatro jovens arremessadas para fora de um brinquedo de um parque de diversões localizado em Ceres, Goiás, teve morte cerebral confirmada nesta segunda-feira (3/9). Após o acidente ocorrido no domingo (26/8), a menina foi atendida na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município.

Posteriormente, a garota foi levada ao Hospital de Urgências de Anápolis (Huana). Um dos rins da adolescente teve de ser retirado em decorrência da gravidade dos ferimentos. Além de Isabela do Amaral Viera, também foram vítimas do acidente Thalia Aparecida Pires, Thatiely Carvalho Evangelista, já de alta; e Mariane Oliveira Dias, que continua internada .Todas têm 16 anos.

Leia a nota na íntegra:

“O Hospital Estadual de Urgências de Anápolis Dr. Henrique Santillo (HUANA), em nota, confirma o diagnóstico de morte encefálica da paciente Isabela do Amaral Vieira, na manhã desta segunda-feira (3/9).

Constatada a morte cerebral, a Comissão Intrahospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos e a Central de Transplantes de Goiás, iniciaram todos procedimentos necessários para doação de órgãos, conforme autorizado pela família da jovem.

Internada no Huana desde o dia 26/08/2018, a paciente não resistiu aos graves ferimentos causados pelo acidente em um Parque de Diversões na cidade de Ceres-Go, na madrugada do dia 26.

O Huana lamenta o falecimento e deseja condolências aos familiares”.





segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Greco vai combater roubo de água em Teresina


Águas de Teresina assinou convênio com a Polícia Civil nesta segunda-feira (3)
Fonte: Piauí hoje


A Águas de Teresina e a Delegacia Geral do Piauí, por meio do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO), firmaram nesta segunda-feira (3), convênio para cooperação nas ações de combate às fraudes ao sistema de água e esgoto da capital. A empresa realiza, através do programa Água Legal, fiscalização para verificação de fraudes. Desde maio foram notificados 5.640 casos de irregulares na cidade.

Na fiscalização, são verificadas especialmente as condutas relacionadas à violação do hidrômetro e suas formas de fraude. As situações mais recorrentes são de violação do corte no cavalete; violação do ramal de água e hidrômetro danificado. Além disso, há ainda o by-pass, que é um desvio da água antes do líquido passar pela leitura do medidor.

Uma equipe policial especializada atuará junto à Águas de Teresina, inclusive com suporte de perícia na fiscalização in loco de inconsistências e investigação de ocorrências realizadas sem autorização e conhecimento da empresa. A concessionária buscará o reforço policial caso haja resistência por parte do usuário ou situações que coloquem a integridade do colaborador em risco.

“As ligações irregulares podem provocar a contaminação da rede de abastecimento e trazem prejuízos ao meio ambiente e à cidade. As perdas também são significativas. Uma ligação irregular chega a consumir até cinco vezes mais em relação as ligações padronizadas”, explica Pedro Alves, gerente de sustentabilidade da Águas de Teresina.

De acordo com o regulamento de serviços, constitui infração a prática decorrente da ação ou omissão do usuário, relativa a intervenção nas instalações dos serviços públicos de abastecimento de água e/ou esgotamento sanitário.

Havendo ocorrência, o usuário é notificado e, após as tratativas via Comissão de Recuperação de Perdas, há aplicação de multa. As multas variam de acordo com a infração e são aplicadas conforme Tabela de Irregularidades, disponível em www.aguasdeteresina.com.br/documentos. É importante destacar que a ligação clandestina de água e esgoto é uma prática passível de penalidade por furto, que pode chegar a detenção/ prisão em flagrante por crime inafiançável, previsto no Artigo 155, do Código Penal.

A população também tem autonomia para auxiliar a concessionária no combate a esse tipo de crime. As denúncias podem ser formalizadas através da Central de Atendimento da Águas de Teresina, por meio do 0800 223 2000 ou 115. Está disponível ainda o 3085 2217 para contato direto com o GRECO.





Dois agentes faziam escolta de detento que fugiu ao ir à hospital


Ele mesmo algemado, conseguiu se desvencilhar e subir em uma moto.

Fonte: Meio Norte


O tenente coronel Luís Antônio Pitombeira, da Diretoria de Inteligência e Proteção Externa da Secretaria de Justiça do Estado, relatou em entrevista ao Bom Dia Meio Norte, sobre como aconteceu a fuga do detento Fleques Pereira Lacerda da Casa de Custódia, no último sábado, em Teresina.

De acordo com ele, o preso que é envolvido principalmente com roubo a instituições financeiras da região de Avelino Lopes junto com sua família, teria simulado uma doença, para assim ser levado a atendimento médico no hospital mais próximo.

“Ele estava no pavilhão D da Casa de Custódia e alegou que estaria passando muito mal, então o procedimento do pessoal que estava de plantão foi retirar o preso e encaminhar a unidade de saúde mais próxima que era a UPA do Promorar e lá ele empreendeu fuga. O tenente me ligou passando a circunstância da fuga, que foi o que me chamou atenção e ao chegar no hospital o que foi relatado é que ele teria desviado do agente que estava sob sua responsabilidade e ele e mesmo com uso de algemas teria subido em uma moto que já estava a sua espera e assim empreendeu fugiu”, declarou.

sábado, 1 de setembro de 2018

Acusado de matar professora no Piauí é preso no Mato Grosso


O crime aconteceu em outubro de 2014 no município de Campo Maior-PI
Fonte: Meio Norte
(Crédito: Divulgação)
 (Crédito: Divulgação)

Um agricultor identificado como Francisco Assis Vasconcelos, 47 anos, foi preso na tarde de sexta-feira (31), no município de Sorriso, a 420 km de Cuiabá no Mato Grosso. Francisco é réu confesso da professora Adriana Tavares do Vale morta em outubro de 2014 na cidade de Campo Maior no interior do Piauí.

De acordo com informações, a Delegacia Regional de Campo Maior está realizando os procedimento legais para a transferencia do acusado para o município piauiense na próxima semana.
Francisco de Assis foi localizado após uma testemunha que assistiu a uma reportagem em um programa de televisão policial e informou a polícia. O criminoso estava dentro de sua residência no bairro Industrial Nova Prata quando os agentes da polícia o prenderam.

Aos policiais, Francisco afirmou que fugiu para o Mato Grosso logo após cometer o crime e estava trabalhando em um armazém. A Delegacia Regional de Campo Maior está investigando se o criminoso usou documentos falsos para sair do Piauí e se estava recebendo ajuda de outras pessoas.

O CRIME

Adriana Tavares foi assassinada no início da tarde do dia 22 de outubro de 2014 quando voltava, em uma motocicleta, da escola Regina Maria Bona, onde trabalhava, no Reassentamento Corredores. Ela seguia na companhia da colega de trabalho, a professora Maria das Dores Campos, esposa do assassino, mas em processo de separação. O criminoso não aceitava.

Da Assis seguiu as duas professoras e na altura da Fazenda Campinas, conseguiu acompanhar as duas professores e, com o pé, conseguiu fazer as duas se desequilibrarem da moto e cair. Adriana foi morta a pedradas e pauladas e Maria Das dores foi furada com uma tesoura, mas conseguiu sobreviver.
 (Crédito: Divulgação)
(Crédito: Divulgação)

Suspeito de estuprar idosa no Piauí faz buraco em cela e foge de delegacia


Delegado diz que a estrutura é extremamente precária e que investigações estão prejudicadas. O G1 procurou a Secretaria de Segurança Pública e aguarda posicionamento.

Fonte: G1 Pi
Preso cavou buraco e conseguiu fugir da delegacia de Paulistana. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Preso cavou buraco e conseguiu fugir da delegacia de Paulistana. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Um suspeito de estuprar uma idosa na cidade de Paulistana, Sul do Piauí, Edigleuson do Nascimento, 22 anos, fugiu da cela onde estava custodiado na delegacia da cidade. Ele foi preso no dia 20 de agosto e fugiu 10 dias depois. De acordo com o delegado Cícero de Oliveira, a precariedade da estrutura do prédio facilitou a fuga. O G1 procurou a Secretaria de Segurança Pública e aguarda posicionamento.

“Se você jogar água nas paredes e forçar, tudo desmorona. Nas carceragens, fica detido quem quer. Quem quer fugir, foge a qualquer momento. Há dois anos estou aqui e peço a reforma desse prédio e até o momento não tem nenhuma previsão. A estrutura é muito precária e é constante o afastamento dos servidores por problemas de saúde, alérgicos, por conta das infiltrações e mofo nas paredes”, explicou o delegado.
Segundo ele, havia um agente de plantão no momento da fuga, mas apenas uma pessoa não seria capaz de atender o público e ainda fazer a vigilância do preso. “Ele estava preso sozinho, mas é humanamente impossível apenas uma pessoa dar conta de tudo. Além do mais, não é função da polícia civil fazer guarda de detentos”, disse.

Edigleuson estava preso temporariamente para investigações do crime de estupro e o delegado Cícero teme pelo andamento do caso. O caso chocou a população principalmente porque, além da violência sexual contra a idosa, o crime foi cometido diante da neta da vítima, de 4 anos.
“Nós estávamos aguardando para fazer a coleta de material genético e fazer a comparação com o que foi coletado junto à vítima. Agora não sabemos onde ele está e nem quando vamos prendê-lo novamente. As investigações ficam prejudicadas”, relatou.